Sabe qual a melhor forma de metrificar a produtividade do desempenho que sua empresa vivencia? Vamos te ajudar com dicas de KPIs para ficar atento(a)!

Garantir a produtividade de um britador não diz respeito apenas à escolha do equipamento de melhor qualidade ou à forma mais eficiente de executá-lo. Desempenho e bons resultados também estão profundamente ligados a fatores como análise, monitoramento e metrificação. Sem avaliação dos resultados, não há melhora de produtividade.

Por isso, trabalhar com britadores significa lidar também com monitoramentos diários. Uma importante ferramenta para isso são os KPIs, que vamos explicar melhor neste artigo.

Por meio do seu acompanhamento é possível verificar como está o desempenho do britador — se está satisfatório, se está dando os resultados esperados ou se precisa ser melhorado — e como está a sua evolução. Assim, eles ajudam a identificar os pontos negativos, a apontar as causas do baixo desempenho e a corrigir esses problemas.

Contudo, sabemos que estabelecer os parâmetros que servirão de base para esses relatórios pode se mostrar um desafio. Mas, não se preocupe! Fizemos questão de trazer algumas dicas para ajudá-lo. Confira!

KPI a serviço da produtividade

KPI é a sigla em inglês para Key Performance Indicator — ou, em português, Indicador-chave de Desempenho. Ele é uma técnica que serve para avaliar as mais variadas formas de organizações, empresas, sistemas, equipamentos e, até mesmo, coisas cotidianas. Muitos o usam inconscientemente para monitorar a saúde, através de peso corporal, pressão sanguínea, nível de colesterol etc.

O KPI pode também ser uma poderosa ferramenta para avaliar o desempenho de uma instalação de britagem e de cada um de seus componentes. Através do acompanhamento, pode-se verificar se a sua evolução é satisfatória. Caso se verifique um desvio negativo, os KPIs ajudam a identificar as causas e a tomar decisões de correção.

Quais KPIs devemos monitorar em instalações de britagem?

É fundamental definir os KPIs corretos para avaliar os resultados e otimizar o desempenho. O objetivo final de cada processo é o que influencia qual deles deve ser monitorado. Portanto, eles podem ser muitos e variados. Com cada um deles, é possível entender com precisão cada número avaliado para traçar as ações compatíveis e adequadas de melhoria. Neste caso, como estamos falando sobre produtividade do britador, recomendamos que sejam monitorados os seguintes itens:

post-metso-a_produtividade_producao_01-01.png

A produção é um KPI básico para monitorar o desempenho de uma instalação de britagem. O registro de produção depende de quão exigente a empresa se propõe a trabalhar. Quanto menor for o intervalo de medição, melhor será o seu parâmetro. Além disso, melhor será a evolução e controle deste sistema.
Inicialmente, a empresa não dispondo de aparelhos, sistemas de automação (hardwares e/ou softwares) ou ainda de dispositivos/sensores em campo, a sugestão é medir diariamente. Baseado em dois parâmetros: o do tempo indicado pelo início/fim da jornada de trabalho e do registro de horímetros das máquinas; e o da capacidade da planta.

Esta medição ideal deve ser feita por identificação, conforme se tem etapas no processo de britagem e moagem.

A medição pode ser aleatória ou definida em horários iguais e constantes ao longo do período de trabalho. Pode ser feita instantaneamente, com o uso de medição da caçamba de uma carregadeira, ou ainda por medição de material em correia transportadora. Há também a possibilidade de medição constante através de uso de balanças integradoras, montadas em cavaletes nos transportadores de correia.

É importante observar quando deverá ser implementado um sistema para medição de ocorrência e tempo, em que os equipamentos não estejam em efetiva operação.

O foco é medir as ocorrências de paradas do sistema. Sejam elas aleatórias, constantes ou inconstantes, e de várias naturezas. O foco da ferramenta KPI é encontrar, identificar, quantificar e, por fim, objetivar tratativas de diminuir tais ocorrências. Fazendo com que o sistema opere o mais constante possível, nas máximas condições operacionais.

Muitos gestores, inclusive, avaliam pelo KPI a incidência de ocorrências das condições metereológicas, energéticas e outras variantes externas a operação.

post-metso-a_produtividade_redimento_operacional_01-02.png

Intimamente ligado à produção, o rendimento operacional é composto de Disponibilidade Física e Fator de Utilização. Estes dois componentes também devem ser registrados separadamente, com discriminação detalhada das causas e tempo de cada parada.

Aqui, a exemplo da produção, deve-se identificar as ocorrências e as cronometrar, desde a parada da atividade até o seu efetivo retorno. Podem ser criados KPIs de rendimento. E ainda, parâmetros de medição de quanto tempo está disponível determinado equipamento para a operação.
Os itens relacionados a esta medição podem ser discriminados e separados por famílias de causas, tais como: operacionais, metereológicos, de caráter de falha de pessoas, de falha de manutenção, de falha elétrica etc.

A medição do tempo de parada e de correção pode ser outro indicador de performance do setor em questão, buscando melhorar a performance setorial. Por exemplo: medir o tempo de troca de um revestimento, troca da correia, troca do pneu e outros. E, com isto, encontrar melhorias para minimizar este tempo de manutenção ao fim da parada.

post-metso-a_produtividade_rendimento_energetico_01-03.png

É importante para monitorar a sustentabilidade do negócio. Necessário registrar cada operação unitária: desmonte, transporte, britagem primária, rebritagem etc.

Criar sistema de medição e de controle, além da assiduidade ou da periodicidade, são importantes para encontrar os reais gargalos operacionais. A medição energética é uma maneira de se obter o rendimento operacional.

A energia gasta por um britador ao longo de seu trabalho pode ser inconstante, e deve ser monitorada para saber os motivos dessa variação. A medição de combustíveis gastos pelos equipamentos móveis se faz da mesma maneira. Ao fim, pode-se criar parâmetros de medição energética por etapas e por tonelada produzida.

post-metso-a_produtividade_custo_operacional_01-04.png

A energia elétrica é um dos insumos cujo custo tem aumentado significativamente nos últimos anos. O aumento no consumo específico de energia pode sinalizar uma operação deficiente.

O valor monetário das energias adquiridas para o negócio, menos a energia consumida pelos equipamentos, pode ser um parâmetro de aproveitamento. Além disso, é possível quantificar as perdas monetárias desta equação. Por fim, pode-se parametrizar a produção efetiva de cada período.

O período de medição desta energia segue os pensamentos anteriores. Depende da precisão e de quanto em quanto tempo a empresa se propõe a fazer estas medições. O ideal é ter medições online, a partir de um sistema.

Sensores e equipamentos da era digital podem auxiliar a medir estes índices e corrigi-los a tempo. Estes dispositivos vão desde sistemas eletrônicos de correção da energia elétrica contratada x consumida, até sistemas de medição de energia x ton/h por equipamento ou por etapa de processo.


post-metso_a_produtividade_manutencao-01-05.png

Recomenda-se registrar pelo menos dois parâmetros básicos relativos à manutenção para cada componente da instalação de britagem.

MTBF (Mean Time Between Failures) - Tempo médio entre falhas
MTTR (Mean Time to Repair) - Tempo médio de reparo

A medição do tempo de manutenção é uma ferramenta para objetivar a diminuição das paradas como um todo. Ela deve ser feita sempre que houver o evento. Mas, lembre-se: o foco é a melhoria, e não o constrangimento de pessoas envolvidas no processo.

Pode ser enquadrado como MTTR uma determinada operação de manutenção ou de reparo. A melhoria do tempo gasto para execução desta manutenção é um objetivo a ser alcançado. Esta medição - ou seja, a cronometragem de cada etapa - pode ajudar a elucidar e verificar gargalos desta operação.

Fora isso, pode auxiliar em melhorias com verificação de falta ou falha de ferramentas para uso no processo. Este parâmetro elucida, em valores monetários, a justificativa de correção ou compra de ferramentas com foco de diminuição do custo final da operação (custo/ton produzida).

Por exemplo, a determinação do uso de uma carregadeira retirada de outra frente de trabalho, para auxiliar o içamento/movimentação de uma peça de outro setor da empresa. Ou ainda, o investimento e uso de uma grua fixa no local para esta mesma operação.

O importante deste conceito de KPIs é criar uma metodologia para medir vários parâmetros e eventos de operação. Também é fundamental analisá-los com foco na melhoria do processo.

Esses são os KPIs que consideramos como principais, para que sirvam de parâmetro nas suas medições de desempenho. A partir deles, e de necessidades específicas, é possível estabelecer novos indicadores que lhe ajudarão a avançar nestes processos. Em breve, voltaremos a falar sobre eles aqui, no blog da Metso.

 

"O importante deste conceito de KPIs é criar uma metodologia para medir vários parâmetros e eventos de operação. Também é fundamental analisá-los com foco na melhoria do processo." 

 

Agora que você conhece os melhores KPIs para metrificar a produtividade das operações em sua mina, aproveite para baixar o nosso e-book. Nele, explicamos os principais fatores que indicam se seu britador está operando adequadamente. Faça o download gratuito e extraia o melhor do seu equipamento!

 

New Call-to-action

Compartilhe nas redes sociais