Você até pode conseguir extrair o máximo de rendimento do seu britador e utilizá-lo até o fim da sua vida útil. Mas, inevitavelmente, terá de substituí-lo. Um maquinário dessa complexidade demanda um processo criterioso para a sua instalação. Preparar a mina para um novo britador também é algo essencial para que você obtenha o melhor da sua performance. Como prepará-la? Você irá saber, a seguir.

post-metso_Fatores externos e operacao (1).png 

Fatores externos

São aspectos difíceis — ou mesmo impossíveis — de serem controlados. Mas, são possíveis de serem monitorados.

Assim, é possível, por exemplo, identificar a melhor situação climática para a instalação do novo equipamento. A equipe pode inspecionar os produtos na fase de desmonte para localizar danos ou anormalidades antes do carregamento. Pode, ainda, adequar previamente os equipamentos de carregamento e transporte à planta de britagem.

Essas e outras ações ajudam a monitorar as eventualidades possíveis de ocorrer na instalação de britagem, evitando intercorrências negativas no processo.

 

post-metso_Clima.png

Fenômenos meteorológicos como chuva, névoa (por questão de segurança) e ventos fortes (que levantam pó e dificultam a visibilidade) afetam o rendimento de uma planta de britagem. Podendo, em situações extremas, como no caso de vendavais, parar completamente a operação.

A chuva é um dos fatores que mais afetam o rendimento, por aumentar significativamente a umidade superficial do minério e, consequentemente, aumentar sua aderência em revestimentos, chutes, transferências, telas de peneiras, entre outros.

Ventos muito fortes também podem tornar a operação de certos equipamentos menos seguras e aumentar a dispersão de pó. Sendo necessário reduzir as taxas ou, em alguns momentos, até mesmo parar a operação.

 

post-metso_Desmonte.png

O desmonte de rocha é importante, pois o produto gerado após a detonação irá influenciar o desempenho do britador. Se o minério desmontado for constituído de poucos blocos e grande quantidade de finos, a capacidade do britador deverá ser bastante elevada.

Em contrapartida, se o desmonte gerar apenas blocos de grandes dimensões, o britador terá mais dificuldade para processá-los e, como consequência, sua capacidade será menor. É possível monitorar a granulometria do desmonte através de softwares de análise de imagens, e otimizar planos de fogo que minimizem a geração destes blocos (matacões).

 

post-metso_Carregamento e transporte.png

O tamanho da frota e o modelo dos equipamentos de carregamento devem estar adequados à demanda da planta de britagem. Não adianta adquirir um britador de grande porte, se os equipamentos responsáveis por sua alimentação não forem compatíveis. Além de não conseguirem suprir a demanda de minério.

É razoavelmente comum encontrar plantas de britagem aptas a grandes produções. Porém, com falta de minério, devido a frota de carregamento mal dimensionada. Isto pode ser facilmente medido e monitorado através dos registros de turnos feitos pelos operadores.

 

post-metso_Fornecimento de energia.png

O fornecimento de energia elétrica é item fundamental para uma boa operação do britador. Há locais onde ocorre queda constante de energia, e isso não somente afeta o desempenho do britador como de toda a planta.

Em algumas situações, ocorre falta de energia com o britador trabalhando cheio de minério, ocasionando uma parada de alguns horas para limpeza e desobstrução do equipamento.

Em locais onde ocorre falta de energia constante, é recomendado ter geradores que supram qualquer eventualidade. Principalmente, em horários de pico de consumo.

Fatores de operação 

São possíveis de serem controlados e monitorados. Esses fatores podem ser melhorados para eliminar ou reduzir as causas, levando ao desempenho insatisfatório de uma instalação de britagem.

Para garantir uma operação de britagem eficiente, confira a seguir como a escolha dos equipamentos e sua manutenção são importantes para minimizar o desgaste das peças e reduzir o tempo de parada dos britadores. Tudo isso, somado a uma mão-de-obra capacitada, trará os melhores resultados para a execução da operação. Veja!

post-metso_Qualidade dos equipamentos.png

A qualidade dos equipamentos influencia diretamente no desempenho da instalação. Uma linha de britagem é composta por vários equipamentos conectados em série, desde o alimentador primário até a correia que transporta o produto final.

Se algum equipamento desta cadeia complexa for de má-qualidade e apresentar problemas com frequência, todo o desempenho do sistema ficará comprometido.

Assim, recomenda-se adquirir equipamentos de fabricantes bem conceituados e, ainda, fazer uma rotina de inspeções periódicas em todos os equipamentos. Para, desse modo, identificar quais deles eventualmente podem parar, prejudicando a produção.

 

post-metso_Manutenção.png

Uma rotina específica de manutenção, seguindo as recomendações dos fabricantes, é necessária. Isto porque os britadores são submetidos constantemente a grandes esforços e alto desgaste. Parte essencial da manutenção é planejar a troca dos revestimentos.

Dessa forma, o processo não irá acarretar em danos mais severos ao equipamento e o tempo de parada será mínimo. É recomendado o uso de peças originais, tanto para melhor desempenho quanto para não desenvolver problemas mecânicos ao equipamento.


post-metso_Mao de obra.png

Mão-de-obra bem treinada é importante para se obter um ótimo desempenho do britador. O operador deve estar capacitado a reconhecer ruídos estranhos, detectar eventuais falhas, discernir se a alimentação e o produto final estão coerentes ao planejado.

Ele ainda deve estar apto a trabalhar com os dados do sistemas de controle e automação, reconhecendo os avisos de falhas e extraindo informações valiosas do britador, como: potência consumida, abertura na posição fechada, nível de desgaste etc.


Uma dica final

Existem várias formas de avaliar o desempenho de uma instalação de britagem.
Edis Siqueira Nunes Filho, Engenheiro Especialista em Aplicação – Sistema de Mineração da Metso, dá a seguinte dica: “Ao adequar a mina a um novo britador, é importante realizar uma avaliação prévia e integral do circuito. Começando por uma análise dos dados históricos, passando por uma investigação das falhas - sejam elas oriundas de fatores externos ou de operação – e estudo dos registros de manutenção. Além disso, é essencial a identificação dos reais gargalos do processo, através do monitoramento e controle da produção.”

 

“Ao adequar a mina a um novo britador, é importante realizar uma avaliação prévia e integral do circuito."

Edis Siqueira Nunes Filho, Engenheiro Especialista em Aplicação 

New Call-to-action

Compartilhe nas redes sociais