Os britadores cônicos são aplicados em qualquer tipo de plantas de agregados e de mineração, sempre a partir da etapa secundária. A instalação acontece na operação a céu aberto ou subterrânea e para vários tipos de rochas - desde as mais brandas até os materiais mais duros. E até mesmo em atividades de reciclagem. Ou seja, os cônicos são uma espécie de coringa do processamento mineral. Mas, como na carta do baralho, eles podem mudar o jogo. Nesse caso, com inovações técnicas que se traduzem em números positivos.

A evolução inclui, por exemplo, o aumento de produtividade da mina, usando recursos como a maior densidade da câmara de britagem, a partir do design aprimorado da máquina. As melhorias podem acontecer ainda através da redução do tempo de parada por meio de dispositivos como os cilindros de alívio hidráulicos de dupla ação. O nome parece complicado, mas o resultado é claro: eles aliviam o equipamento de matérias não britáveis e deixam a máquina trabalhar em paz.

Britadores possuem operação com ajustes automáticos e manutenção mais segura

As paralisações indesejadas – que afetam a lucratividade da mina ou da pedreira – também podem ser reduzidas com equipamentos que possuem componentes fabricados com ligas de aço aperfeiçoadas e que levam o britador a operar com a potência máxima. Lembrando que a britagem é um processo de grande força, o que explica o uso de materiais diferenciados nas peças de desgaste. É praticamente uma personalização.

O salto mais recente na operação é a adoção da automação. Com ela, é possível reduzir a interferência humana na britagem e determinar padrões de ajustes que controlam a abertura de alimentação, inclusive com o equipamento operando. Com a automação é possível combinar a potência de tal forma que se opere o britador cônico com o menor desgaste possível das peças e com a maior produtividade. O resultado é maior lucratividade da mina em um movimento duplo: maior produção e menor custo.

As mudanças nas novas gerações não ficaram restritas à operação. A manutenção saltou várias casas, incluindo desde o acesso superior para troca de peças até o nível de predição do desgaste de materiais. Ao serem equipados com maior eletrônica embarcada, os novos britadores cônicos alimentam os técnicos com dados estratégicos. E permitem o diagnóstico que antecipa falhas e reduz o tempo de parada, aumentando as horas operacionais da máquina. E melhor: em tempo real.

Novíssima geração de britadores cônicos já opera no Brasil e em situação real

Se os equipamentos tradicionais avançaram nos últimos tempos, uma novíssima geração combinou a evolução de forma ainda mais inteligente. Estamos falando de britadores cônicos multiação, com pistão e bojo numa só máquina. Traduzindo em números: a versatilidade deles ampliou a vida útil das peças de desgaste em até 30% e sua eficiência energética em pelo menos 40%. Os custos de manutenção e reparo foram diminuídos em níveis que variam entre 15% e 20%. Eles, de fato, elevaram a britagem a um cenário de produção seletiva e de baixo custo operacional numa só tacada.

A novíssima geração de britadores cônicos também colocou esses equipamentos na era da indústria 4.0. E fez isso, com o maior número de sensores, que monitoram a máquina em tempo real e criam um histórico ainda mais detalhado, porém amigável. A inteligência do equipamento interpreta os dados e os mostra na tela de LCD e por meio de gráficos. Sonho? Na verdade, não.

O Brasil já possui equipamentos como esses operando em situações reais. Quer conhecer mais sobre a novíssima geração? Veja o vídeo com eles em plena ação!
New Call-to-action

Compartilhe nas redes sociais